Policiais Militares da Paraíba cruzam os braços

pms-da-paraiba-entram-em-greve

O governador Ricardo Coutinho disse que vai acionar a Força Nacional de Segurança para garantir a proteção da população paraibana enquanto durar a paralisação dos mais de 15 mil servidores da segurança pública.

Os policiais militares e bombeiros decidiram entrar em greve a partir de hoje. Os policiais civis, agentes penitenciários, delegados de Polícia Civil e outros profissionais da área de segurança cruzam os braços na próxima sexta-feira.

O anúncio da greve foi dado na tarde de ontem, após assembléia geral das categorias na Praça João Pessoa. Os servidores querem que o Governo pague a PEC-300.

De acordo com o secretário executivo da Casa Civil, Lúcio Flávio Vasconcelos, o governador entrou em contato com a presidente, Dilma Rousseff, para garantir que o estado não ficasse a mercê dos bandidos, principalmente durante as festas de Carnaval.

“O governador terá respaldo legal para solicitar as tropas federais e garantir asegurança da população paraibana. Através de um plano operacional, o Governo do Estado vai acionar a presença da Força Nacional de Segurança na Paraíba. Isso já foi discutido com a presidente Dilma”, confirmou Lúcio Flávio.

O anúncio sobre o envio de tropas federais para a Paraíba, no entanto, não teve qualquer peso no momento da votação dos policiais pela greve, durante a assembleia realizada na frente do Palácio do Governo, ontem à tarde.

Os quase dois mil servidores presentes ao local foram unânimes em sua decisão de não continuar trabalhando até que uma proposta concreta e satisfatória seja apresentada pelo Governo “com base nos reajustes salariais dados pelo governo do Estado do Sergipe”, como afirmou um dos líderes do movimento, Major Fábio.

Desde a meia-noite de hoje, os mais de dez mil membros da Polícia Militar e os quase 1.200 do Corpo de Bombeiros estão orientados a paralisar suas atividades.

No caso dos cerca de 2.690 funcionários da Polícia Civil e agentes penitenciários, a greve só terá inícioem 72 horas, quando o comunicado da decisão será apresentado a todas às autoridades, como previsto na Lei de Greve das categorias.

“Caso contrário, o Estado poderia decretar a irregularidade do movimento”, explicou Antônio Henrique, presidente do Sindicato dos Policiais Civis.

Reunião
Na noite de ontem a cúpula da segurança pública se reuniu com o governador Ricardo Coutinho para definir o rumo da área depois do anúncio da greve geral dos servidores.

De acordo com o secretário de Comunicação do Governo, Nonato Bandeira, a reunião foi agendada para que a situação do estado fosse discutida. Um assunto que estava na pauta para ser discutido também era a vinda da Força Nacional de Segurança para o estado enquanto durar a greve do movimento. Até o fechamento desta edição a reunião não havia sido encerrada.

fonte: Jornal O Norte


Tags: , , , , , , , , , , , ,

Não encontrou o que queria? Pesquise abaixo no Google.


Para votar clique em quantas estrelas deseja para o artigo

RuimRegularBomMuito BomExcelente (1 votos, média: 5,00 de 5)
Loading...



Enviar postagem por email Enviar postagem por email